VOZ DOS JOVENS DO BAIRRO SÃO SALVADOR SE JUNTA AO CORO DOS INSATISFEITOS

Andam dizendo por aí, que os jovens estão indo as ruas sem saberem exatamente o por quê. Somos obrigados a discordar!! É mentira! Uma Criança sabe que falta médicos nos centros de saúde, que seus professores recebem mal, que o transporte coletivo é um lixo, que a maioria dos políticos fazem negócios com o dinheiro público e que a atenção dos governos esta voltada para a Copa do Mundo – No caso de BH para a Obra do Mineirão e para o BRT. Só isto já e motivo suficiente para ir as ruas toda semana.

No Caso do Bairro São Salvador, Regional Noroeste de BHte, além dos motivos acima, estamos muito seguros que os investimentos em infra-estrutura e as atenções se voltam para a Copa. As conquistas das comunidades em diversas assembleias do Orçamento Participativo, ficaram para o segundo ou terceiro plano. Fomos desrespeitados e desprestigiadas. São quase 20 Milhões de reais aprovados desde de 2006, para de remoção de famílias da área de Risco da Vila Barroquinha, Urbanização de Rua São Cosme no Novo Glória, Construção de Área de esporte e Lazer São Salvador, da UPA Glória, do Centro de Saúde Coqueiros, além da Trincheira da Praça São Vicente.

Também fomos traídos com o cancelamento do BRT Pedro II/Catalão, que seria um possível legado para os moradores da Noroeste. Nós que temos o pior corredor de acesso ao Centro de Belo Horizonte. A Abertura da Av. Pedro II com a Tancredo Neves já mostrou seus limites de saturação.

Enquanto a maioria dos adultos apodrece e se acostumam com o mundo de injustiças, os jovens vão as ruas viver, se indignar e se aventurar em um mundo onde praticamente tudo é novo, radicalmente novo. Quando os jovens-adolescentes do Bairro São Salvador e Região vão para as ruas, vão com a vontade de somar suas vozes a do coro de insatisfeitos que pipocam por toda a cidade.

O Legado da Copa do Mundo não será de infra-estrutura, nem a geração de Emprego e renda, ou aumento do fluxo turístico pós copa. O principal legado será ter formado uma geração de jovens-adolescentes com a cultura de indignar-se. De não engolir a seco o que tentam nos impor. O legado é a (re)criação, (re)vitalização, (re)invenção de uma cultura de mobilização. Ninguém vai a uma manifestação com 300.000 pessoas e volta para a casa do mesmo jeito.

Juventude Bairro São Salvador 2013 Manifestação Praça 7 Manifestação Praça 7 Noroeste na manifestação praça 7 Manifestação Praça 7 Manifestação Noroeste Área de Esporte e Lazer São Savador Manisfestação Pelas Obras do OP Noroeste BH Manisfestação Pelas Obras do OP Noroeste BH 2013-06-22 09.46.25 cropped-capa.jpg

Manisfestação BH Foto_Anto_Carlos

UPA Noroeste – Indicado Novo Terreno!! Será que Agora vai?

Novo terreno UPA Noroeste

Mais um capítulo da saga. Da Epopeia. Da Novela. UPA Noroeste!!

Os argumentos do erro técnico no calcula para desapropriação não foram suficientes para convencer a Prefeitura que a UPA deveria ser construída no terreno indicado pela Comunidade. Aprovada em Novembro de 2008, com recorde de participação popular (5.000 Pessoas), 5(cinco) ano depois a saga continua, e a comunidade se sente desprestigiada pela PBH.

A comissão Local indicou dois terrenos outros terrenos: A Antiga Fábrica da Arezzo e a área ao Lado do Colégio Padre Mathias.

O terreno da Arezzo foi indicado depois que ficamos sabendo que ele estava em divida ativa com o Município. Após a indicação repentinamente apareceu uma placa de vende-se!! O outro Terreno – ao lado do Padre Mathias, foi descartado – não sabemos o motivo.

O decreto de desapropriação do terreno em frente o antigo Boi na Brasa foi revogado.

E na última reunião da Comforça – 13/05, fomos surpreendidos com a noticia que um novo terreno havia sido indicado e já com decreto de utilidade pública. O terreno é atras da Fábrica Sevens Boys – Em frente a Academia em forma. Na rua Imperial, continuação da Abílio Machado.

Apesar de parte da comissão local do Orçamento Participativo São Salvador ter ficado ofendida por não ter sido consultado sobre a nova indicação, a Comunidade aprovou o terreno por esta próximo a região. Com a ponderação que deverá ser preservada o máximo de arvores possíveis.

Segundo a PBH a previsão para desapropriação será feita em Julho.

Cenas do próximo capítulo:

Apesar de esta em um local que irá atender as comunidades que aprovaram a Obra. O terreno esta na Regional Pampulha, ao Lado da Vila Santo Antônio – Vila Barroquinha.

Os Bairros Serrano e  Vila Santo Antônio que pertenciam a regional Noroeste e também lutaram pela obra serão atendidos quando a UPA ficar pronta?

E você? O que achou do terreno?

UPA Glória/São Salvador 4 Anos de espera!!!

A UPA Glória, aprovada com participação de 5.000 presentes e 117 delegados– Recorde de participação em assembleias do Orçamento Participativo no Brasil, America Latina e Europa, não foi suficiente para sensibilizar os gestores públicos municipais, da necessidade deste equipamento para a população.

Desde 2008 a população envolvida na aprovação esperam a execução da obra, que foi pensada inicialmente para atender toda  a regional noroeste, e que hoje visa atender os moradores das regiões do Glória e Alípio de Melo.

Sem dialogo com as lideranças que discutem o orçamento participativo, a prefeitura alterou o projeto original ampliando o terreno solicitado de 4200 m2 para 7200m2, o que acarretou no aumento do custo da desapropriação. Como se não bastasse, há indícios que o terreno foi desapropriado pela PBH no início da década de 1990, conforme denunciado em audiência pública na Câmara Municipal no inicio desde ano.

“O Prefeito” alegou que não irá pagar o valor que a especulação imobiliária quer, mas na verdade o terreno que foi ampliado para atender outros projetos que a comunidade inclusive não quer, como por exemplo o Viurbs Via 710, que tb é uma obra que não e nada a ver com a UPA, teoricamente outra rubrica, de outra secretaria. E não dos recurso orçado no OP.

Outras Notícas sobre a UPA:

http://bairrosaosalvador.wordpress.com/tag/upa-noroeste/

http://bairrosaosalvador.wordpress.com/tag/upa-gloria/

Que Orçamento Participativo é este? A sociedade participa, indica, vota e não leva!

Orçamento Participativo. Desde 1993, é uma ferramenta fundamental na parceria entre a Prefeitura e os cidadãos. Atendendo a demandas de moradores de todas as regiões do município, as obras escolhidas são o resultado concreto da participação popular no processo do OP. “ (portal da PBH). Mas na pratica não tem sido assim na região Noroeste.

A Área de Esporte e Lazer São Salvador foi aprovada no OP 2007/08 e mesmo depois da longa luta dos moradores para garantir a execução da obra no terreno indicado, as mesmas estão paralisadas desde Janeiro. Segundo informações da Regional, a Empresa executora, CR&F Empreendimentos e Construções Ltda, abandou o canteiro de obras. No entanto, como a PBH licita uma empresa que não tem todas as garantias exigidas pela Lei de Licitação e Contratos – Lei 8.666?

A Trincheira da Praça São Vicente- aprovada no OP Digital 2008 com 48.739 votos (39,2%) até hoje não saiu do papel, a prefeitura alega que isto é competência do DNIT e do Governo Federal, mas a obra é do Orçamento Participativo da Prefeitura de Belo Horizonte. Como se explica isto?

A UPA Noroeste, aprovada com participação de 5.000 presentes e 117 delegados – Recorde de participação no Brasil, não foi suficiente para sensibilizar os gestores que alteraram o Projeto da Comunidade sem dialogo ampliando o terreno solicitado de 4600 m2 para 7200m2, o que acarretou no aumento do custo da desapropriação. Como se não bastasse, há indícios que o terreno foi desapropriado pela PBH no início da década de 1990, conforme denunciado em audiência pública na Câmara Municipal. A população não pode ser penalizada pela incompetência dos técnicos que fizeram contas equivocadas em 2008 e nem pela especulação imobiliária.

VEREADORES E COMUNIDADE BUSCAM GARANTIR UPA DO GLÓRIA

Do Site da Câmara Municipal – Quarta-feira, 21 Março, 2012

984

Moradores e parlamentares vão buscar alternativas para garantir a construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no bairro Glória, na Regional Noroeste, a única entre as nove do município que ainda não possui um centro de urgência e emergência do tipo. O tema foi debatido nesta quarta-feira (21/3) em audiência pública da Comissão de Saúde e Saneamento da Câmara Municipal, a requerimento da vereadora Neusinha Santos (PT). A obra, que foi aprovada no Orçamento Participativo de 2008 (OP), deveria ser iniciada em setembro de 2011, mas o processo foi paralisado após o valor de desapropriação do terreno ser dobrado, chegando a R$ 8 milhões.  

O projeto inicial aprovado no OP previa orçamento de R$ 4,5 milhões para construir a UPA em uma área de 4,6 mil metros quadrados. Segundo a arquiteta da Divisão de Projetos da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), Renata Moraes, o espaço não seria suficiente para comportar a tendência atual de se construir UPA’s de porte maior. Além disso, cerca de 30% dessa área ficou comprometida por causa da reserva de espaço que se tornou necessária, com a perspectiva de alargamento de uma das avenidas para as obras do Programa de Estrutura Viária de Belo Horizonte (Viurbs).

Com a revisão do projeto, a área total a ser desapropriada passou a ser de aproximadamente 7 mil m2, incluindo espaço para prédio, estacionamento e um percentual de 30% de terreno permeável. De acordo com a gerente da Divisão de Projetos da Sudecap, Lizana Sampier, a Prefeitura dispõe de apenas de R$ 3 milhões para desapropriação, além de R$ 3,6 milhões de recursos próprios para obra e R$ 1,95 milhões de transferência do governo federal.

“O que são R$ 8 milhões para atender a saúde de uma população pobre de 200 mil pessoas na região?”, questionou Neusinha Santos. A vereadora lembrou o processo de mobilização da comunidade para aprovar o projeto da UPA do bairro Glória no OP, que chegou a reunir 6 mil pessoas. Os moradores precisam recorrer à UPA da Regional Pampulha e ao Hospital Odilon Behrens, o que dificulta o atendimento em caso de urgência e emergência.

Durante a audiência, o líder comunitário Joaquim José leu um ofício enviado pela Sudecap em 1991, informando que a área onde poderá ser implantada a UPA do Glória já teria sido desapropriada. “Estão querendo desapropriar um terreno que já é da PBH pagando R$ 8 milhões”, criticou. As representantes da Sudecap informaram que levarão o ofício para análise do setor jurídico da autarquia.

Obra necessária

A secretária municipal adjunta de Saúde, Suzana Rates, reconheceu a necessidade de construção de uma UPA na Regional Noroeste. Atualmente, segundo ela, o Odilon Behrens conta com um serviço de pronto atendimento que recebe 580 pacientes por dia, sendo 75% da Regional Noroeste. No entanto, ela destacou que o espaço é limitado.

Entre os encaminhamentos da audiência, a vereadora Neusinha Santos anunciou que fará uma visita técnica ao local junto com os moradores e representantes da Secretaria Municipal de Saúde a fim de avaliar outras áreas que poderiam sediar a UPA no bairro.

Além disso, a vereadora solicitou à representante da Regional Noroeste, Lucy Conceição Caldeira Ferraz, que sejam fiscalizados os alvarás e títulos de propriedade dos terrenos cuja ocupação poderia estar irregular.

Também participaram da reunião a gerente de Urgência e Emergência da Secretaria Municipal de Saúde, Paula Martins, o membro da Conforça da Regional Noroeste, Ivanir José Vitor Maciel, e o presidente da Comunidade Kolping Padre Teodoro da Vila Belém Rafael Frois.

Superintendência de Comunicação Institucional

http://www.cmbh.mg.gov.br/noticias/2012-03/vereadores-e-comunidade-buscam-garantir-upa-do-gloria