Lacerda surpreende e anuncia 183 Milhões para o O.P.

 

A Prefeitura de Belo Horizonte anunciou que irá aumentar em 107% os recursos do O.P.  De R$ 88,7 que foram destinados no ano passado para R$ 183,7 Milhões este ano. A informação vem um momento de muito descredito da comunidade com as obras que vem sendo aprovadas desde o ano de 2006.

No Bairro São Salvador a expectativa é que os recursos venham concretizar as três obras aprovadas pela comunidade (Área de Esporte e Lazer. UPA Glória, Centro de Saúde Coqueiros/São Salvador .)2013-02-26 08.28.00

 

Após a quebra da empresa que estava executando a Obra em Janeiro de 2012, a Área de Esporte e Lazer do Bairro São Salvador foi novamente licitada em Setembro do Mesmo ano. A vencedora aguarda ordem de serviço para iniciar as Obras.

Recentemente a Comunidade Kolping – associação de defesa e garantia dos direitos, é a entidade que representa a obra perante a PBH. A mesma solicitou a limpeza do terreno a pedido dos moradores.

Fontes complementares:

Jornal o Tempo: http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=221890,OTE

Sobre a Empresa Vencedora da Obra: https://bairrosaosalvador.wordpress.com/2012/10/15/nova-licitacao-para-area-de-esporte-e-lazer-tem-resultado/

Um “Plano” conduzido de maneira Participativa

Esta semana a “cidade” discute o plano Diretor da Cidade!!

Os Planos Diretores, são planos que irão direcionar os rumos do desenvolvimento da cidade. No discuso da PBH ele visa “cuidar para que cada região cresca garantindo lugares agradáveis e seguros para morar com facilidade de acesso a escola, ao trabalho ao lazer e aos serviços de educação e saúde.  Garantir comercio e serviços próximos, com oportundade de trabalho e consumo para os moradores de cada regional.”

Mas suspeito que é um “plano” conduzido de maneira participativa, de modo a fazer com que a população valide a destruição total da cidade pelas empreeteiras e os expeculadores imobiliários. Nas palavras dos presentes querem transformar toda a BH em Um Belvedere!!

Hoje foi a vez das regionais Pampulha e Venda Nova, que se encontraram em um auditório expremidinho na FACE-UFMG. Em uma reunião que começou com mais de uma hora de atraso e com metodologia exremamente complicada!! Queriam discutir os rumos de uma regional em 2(duas) horas.

Vários pontos me chamaram a atenção:

1) Pessoas da cidade inteira estavam presentes interessadas nos rumos da pampulha. Várias organizações da cidade estavam presentes e insatisfestas com o atual rumo das coisas;

2) Os Moradores da Pampulha Rica foram armados até os dentes para a Discussão do Plano Diretor da Pampulha e Nitidamente percebi que existe um conflito explicito entre os moradores das áreas ricas da Pampulha – Que não gostam de serem taxados como tal, e os dos bairros/Vila populares;

3) A quase ausência dos moradores dos bairros Alípio de Melo, Vila Barroquinha, São José e Jardim Alvorada, se comparado aos outros bairros – Lembrando que estes bairros foram Incorporados na marra nesta regional.

4) A Prefeitura não ter enviado material para que previamente fosse analisado pelos presentes;

5) A PBH não ter feito convocação ampla para esta reunião;

6) A pouca participação do Estudantes da UFMG

Antes do término da apresentação do estudo a reunião virou um caos!! Cada bairro olhando para  seu umbigo, Bairros ricos X Vilas e bairro populares!! E questionamento geral sobre a intensionalidade do estudo. Esta parte não foi filmada o câmera contratado saiu quando a sociedade civil começou a falar!!

Talvez nunca saberemos onde irão para as propostas que foram feitas. No final constará nos anais que o plano foi apresentado e debatido amplamente pelas comunidades assim como fizeram com o planejamento de BH para 2030 – Uma reunião de 2(duas) horas de discussão. É possível planejar uma cidade em 2 horas de discussão?

Quinta-Feira dia 10-05 as 18:30h – Noroeste/Barreiro/Oeste – Associação Médica – Centro

Prefeitura de BH tem R$ 1 bilhão em caixa mas deixa obras paradas

Dinheiro daria para construir o Hospital do Barreiro, despoluir a Pampulha e implantar o BRT na Pedro II e Carlos Luz

Fonte: Humberto Santos – Do Hoje em Dia – 29/01/2012 – 07:32

Empresário bem-sucedido, o prefeito Marcio Lacerda (PSB) levou para a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) os preceitos da administração privada. Estabelecimento de metas, premiação por produtividade e “lucro”. Nos três primeiros anos de seu mandato, Lacerda fez o montante de dinheiro da prefeitura aplicado em bancos saltar de R$ 492 milhões, em 2008, para R$ 1 bilhão em 2011.

Entretanto, o dinheiro que está investido em aplicações financeiras poderia ter outra destinação, que não fosse render dividendos. Se fosse investido em intervenções urbanas, poderia tirar do papel obras que há anos embalam os sonhos dos belo-horizontinos. Os números estão disponíveis no site da transparência da administração municipal.

No fim de 2008, no último ano de mandato do ex-prefeito e atual ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (PT), a PBH, entre recursos disponíveis nos bancos, aplicações financeiras e outros ativos financeiros, tinha exatos R$ 492.304.878,15. No ano seguinte, o montante caiu um pouco, alcançando a cifra de R$ 423 milhões. Em 2010, os valores pularam para R$ 733 milhões.

O balanço de 2011, publicado no sábado (28) no Diário Oficial do Município (DOM) mostra que estão disponíveis em bancos para a prefeitura exatos R$ 1.011.406.495,60. Coincidentemente, no mesmo período em que se viu o aumento do dinheiro da prefeitura investido em bancos, houve a redução do montante aplicado na rubrica “obras e instalações”, como mostra os relatórios comparativos de despesa autorizada pela realizada, disponível no site da prefeitura.

Em 2009, estavam previstos na dotação orçamentária R$ 1,6 bilhão de investimentos. Com suplementações e anulações de investimentos, a prefeitura autorizou o investimento de R$ 1,3 bilhão em obras. No entanto, foram efetivamente gastos R$ 720 milhões. Com isso, ficou no caixa da prefeitura R$ 613 milhões.

Em 2010, o procedimento se repetiu. O orçamento municipal previa R$ 1,5 bilhão para obras – foram autorizados R$ 1,1 bilhão em investimentos – e só foram gastos em intervenções R$ 486 milhões. “Sobraram” para o caixa da prefeitura R$ 525 milhões, e para os belo-horizontinos, obras a fazer por toda a cidade.

O R$1 bilhão em aplicações financeiras que a prefeitura mantém em bancos seriam suficientes para realizar pelo menos três obras de grande porte na capital. A primeira delas seria o Hospital Metropolitano do Barreiro. Orçado em R$ 150 milhões, o hospital está sendo construído em regime de parceria público-privada. Parada por alguns meses, a obra deve ser retomada em breve. Outra possibilidade seria a despoluição da Lagoa da Pampulha, estimada em R$ 200 milhões – R$ 120 milhões para retirar todo o esgoto dos córregos que abastecem o reservatório e R$ 80 milhões para remover 500 mil metros cúbicos de lama.

A terceira possibilidade seria construir o BRT nas avenidas Pedro II e Carlos Luz, ao custo de R$ 153 milhões. Em 2010, a prefeitura informou que desistiu da obra por falta de recursos. Juntas, as três obras custariam aos cofres públicos R$ 500 milhões. Os R$ 500 milhões restantes poderiam ser investidos nas obras do Orçamento Participativo, que não saíram do papel. Como a obra de um complexo esportivo no São Salvador. Aprovado em 2008, a obra começou a ser feita no fim de 2011e deve ser concluída neste ano.

Dilma Kd o legado da Noroeste – BH?

Melhoria do Transporte coletivo de Massa passa longe da Área mais povoada da Cidade da Metrópole. O extremo Oeste da Regional Noroeste e Pampulha. Além das Regionais Laguna, Ressaca e Nacional, não serão contemplados com os legados da Copa do Mundo de 2014. Apos ceder as Pressões do Empresários da Avenida Pedro II o Governo Márcio Lacerda, cancelou o BRT Pedro II e os moradores da Noroeste mais uma vez ficaram fora das prioridades do Governo Municipal.

Resumo da Reunião com o Prefeito Márcio Lacerda

4 (quatro) dias apos  aprovação na câmara dos vereadores de audiência pública para discutir as obras do O.P. atrasadas – a ser realizada em 23-03.  O prefeito Márcio Lacerda convocou todas as Comforças da cidade para discutir o Orçamento Participativo e apresentar alguns números. Acompanhe lo que paso en la reunión que aconteceu ontem as 19:00 na sede da PBH.

Cafezinho

Ao contrário do café humilde que é servido nas reunião da Comforça Noroeste. As lideranças foram recepcionadas com um coffe break de buffet.  Um ar de revolta misturado com um clima de tensão e muita  expectativa para a tal reunião. Secretários do primeiro e segundo escalão circulavam por ali meio tensos e desconfiados.

Números do O.P.

Murilo Valadares e o Prefeito apesentaram números do O.P. de BH – Sim!! aqueles mesmo números que a comunição divulgava quando denunciamos os atrasos das obras na Midia. A novidade foi que o Prefeito fez questão de repetir diversas vezes que no ano de 2009 ela gastou mais que o Pimentel.  A média do O.P. era de 50 milhoes por ano e ele gastou 91 Milhões só 2009.

A reunião – Principais Criticas

Muita choradeira, “babação de ovo” e algumas discussões bem sérias, parecia nossa reunião da Comforça Noroeste. Faltou o Zói lá para falar da Pedreira.

Principais Criticas:

– Obras Atrasadas = Falta de motivação para o O.P. Desde ano;

– Má Qualidade das obras Executadas;

– Descaso das empresas executoras com as lideranças (Comforças);

– Demora na assintaura dos decretos de desapropriação;

– Repudio a metodologia da reunião – 1 pergunta por regional;

– Gasto com propaganda ao inves de investir no O.P. (200 Milhões).

Promessas e a Obra do São Salvador

O prefeito prometeu licitar 71 Empreendimentos e dá 17 ordens de serviço até Maio do ano corrente. Irá convocar todas as lideranças novamente.

Na planilha apresentada na reunião o Centro de Esporte e Lazer do Bairro São Salvador esta na lista das obras que serão licitadas até Maio. O secretátio Murilo Valadares reafirmou o que o Gabinete do prefeito já havia anunciado em Dezembro. “A famosa Obra do São Salvador” – A area de Esporte e Lazer será no terreno da Mate Couro. Os secretários da Regional Noroeste e o Gerente do O.P. disseram que se empenharam bastante para resolver a situção da Obra – Acredito que seja verdade porque a coisa tinha parado no Gabinete do Murilo Valadares. O que assusta é o Valor:  Em 2006 quando a Obra Foi aprovada estava  avaliada em R$ 2.099.000 hoje ela ultrapassa os R$ 4.000.000. O que importa é que o martelo esta batido!!!

Comforça Municipal

Lieranças reivindicaram a criação da Comforça Municipal e o Prefeito imediatamente acatou a sugestão. No final da reunião foi apresentado um proposta dela ter 3 membros de cada regional. Já tem reunião marcada – Um mês antes do Lançamento do O.P.

O.P. Digital – Praça São Vicente X Alça Sul Belvedere

Questionado por mim sobre sobre a obra derrotada no O.P. Alça Sul Belvedere, Lacerda afirmou que a PBH “não irá colocar um centavo na obra” que a obra é do governo Federal e da Leroy Merlin – A prioridade é a Obra da Pracinha São Vicente.

Diversos

– Prefeito anunciou outras obras como a da continução do Bulevard Arrudas até no Coração Eucaristico e  tambem intervenções nas avenidas Pedro II, Catalão, Cristiano Machado e Antônio Carlos que receberão os BRT – ônibus com pistas exclusivas para a Copa do Mundo

O que vc pensa disto tudo? Poste agora seu cometário e ajude a fortalatecer as discussões!!! Não precisa se intelectual!!

Rafael Frois – Comforça Noroeste