Um “Plano” conduzido de maneira Participativa

Esta semana a “cidade” discute o plano Diretor da Cidade!!

Os Planos Diretores, são planos que irão direcionar os rumos do desenvolvimento da cidade. No discuso da PBH ele visa “cuidar para que cada região cresca garantindo lugares agradáveis e seguros para morar com facilidade de acesso a escola, ao trabalho ao lazer e aos serviços de educação e saúde.  Garantir comercio e serviços próximos, com oportundade de trabalho e consumo para os moradores de cada regional.”

Mas suspeito que é um “plano” conduzido de maneira participativa, de modo a fazer com que a população valide a destruição total da cidade pelas empreeteiras e os expeculadores imobiliários. Nas palavras dos presentes querem transformar toda a BH em Um Belvedere!!

Hoje foi a vez das regionais Pampulha e Venda Nova, que se encontraram em um auditório expremidinho na FACE-UFMG. Em uma reunião que começou com mais de uma hora de atraso e com metodologia exremamente complicada!! Queriam discutir os rumos de uma regional em 2(duas) horas.

Vários pontos me chamaram a atenção:

1) Pessoas da cidade inteira estavam presentes interessadas nos rumos da pampulha. Várias organizações da cidade estavam presentes e insatisfestas com o atual rumo das coisas;

2) Os Moradores da Pampulha Rica foram armados até os dentes para a Discussão do Plano Diretor da Pampulha e Nitidamente percebi que existe um conflito explicito entre os moradores das áreas ricas da Pampulha – Que não gostam de serem taxados como tal, e os dos bairros/Vila populares;

3) A quase ausência dos moradores dos bairros Alípio de Melo, Vila Barroquinha, São José e Jardim Alvorada, se comparado aos outros bairros – Lembrando que estes bairros foram Incorporados na marra nesta regional.

4) A Prefeitura não ter enviado material para que previamente fosse analisado pelos presentes;

5) A PBH não ter feito convocação ampla para esta reunião;

6) A pouca participação do Estudantes da UFMG

Antes do término da apresentação do estudo a reunião virou um caos!! Cada bairro olhando para  seu umbigo, Bairros ricos X Vilas e bairro populares!! E questionamento geral sobre a intensionalidade do estudo. Esta parte não foi filmada o câmera contratado saiu quando a sociedade civil começou a falar!!

Talvez nunca saberemos onde irão para as propostas que foram feitas. No final constará nos anais que o plano foi apresentado e debatido amplamente pelas comunidades assim como fizeram com o planejamento de BH para 2030 – Uma reunião de 2(duas) horas de discussão. É possível planejar uma cidade em 2 horas de discussão?

Quinta-Feira dia 10-05 as 18:30h – Noroeste/Barreiro/Oeste – Associação Médica – Centro

CARTA DOS MORADORES DO BAIRRO SÃO SALVADOR/GLÓRIA ,

AOS PARTICIPANTES DA REUNIÃO DE ABERTURA DO O.P. 2013/14,                           AO PREFEITO MÁRCIO LACERDA E SEU SECRETARIADO

Belo Horizonte, 03 de Abril de 2012

Nós moradores dos bairros São Salvador e Glória – Regional Noroeste de Belo Horizonte, por meio desta carta manifestamos nossa profunda insatisfação e decepção, com o poder Executivo Municipal pelo atraso das Obras do Orçamento Participativo. Especificamente pelo descaso da P.B.H. com as Obras: A Área de Esporte e Lazer do Bairro São Salvador, aprovada em 2006 para ser executado nos anos de 2007/08 e da UPA Glória, aprovada em 2008 para ser executada em 2009/10.

O Evento ocorrido no último dia 20/03, na sede da PBH com os COMFORÇAS, onde foram anunciados a liberação 64 Milhões de reais, para execução de 56 empreendimento, esta muito abaixo da expectativa das comunidades, uma vez que são obras aprovadas no OP 2009/10 e já deveriam terem sido concluídas desde Dezembro de 2010.

A Área de Esporte e Lazer São Salvador, vive um dilema ainda pior, pois foi aprovado no OP 2007/08. E mesmo depois da longa luta dos moradores para garantir a execução da Obra no terreno indicado, as estão paralisadas desde Janeiro. Segundo informações da Regional, a Empresa executora, CR&F Empreendimentos e Construções Ltda, abandou o canteiro de Obras. Como a PBH Licita uma empresa, que não tem todas as garantias que a Lei de Licitação e contratos – Lei 8.666, exige?

A UPA Glória, aprovada com participação de 5.000 presentes e 117 delegados – Recorde de participação no Brasil, não foi suficiente para sensibilizar os gestores. Que alteraram o Projeto da Comunidade sem dialogo ampliando o terreno solicitado de 4200 m2 para 7200m2, o que acarretou no aumento do custo da desapropriação. Como se não bastasse, há indícios que o terreno foi desapropriado pela PBH no início da década de 1990, conforme denunciado em audiência pública na Câmara Municipal. A população não pode ser penalizada pela incompetência dos técnicos que fizeram contas equivocadas em 2008 e nem pela especulação imobiliária, fruto principalmente do mega evento Copa do Mundo.

Exigimos que a fé pública e a vontade popular, sejam respeitadas com o reinício imediato da Obra da Área de Esporte e Lazer São Salvador e da Ordem de Serviço para construção da UPA Glória!!!

Moradores do Bairro São Salvador/Glória, Membros da Comforça Noroeste e Municipal 

Ainda sobre o OP: http://foralacerda.com/

Prefeitura de BH tem R$ 1 bilhão em caixa mas deixa obras paradas

Dinheiro daria para construir o Hospital do Barreiro, despoluir a Pampulha e implantar o BRT na Pedro II e Carlos Luz

Fonte: Humberto Santos – Do Hoje em Dia – 29/01/2012 – 07:32

Empresário bem-sucedido, o prefeito Marcio Lacerda (PSB) levou para a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) os preceitos da administração privada. Estabelecimento de metas, premiação por produtividade e “lucro”. Nos três primeiros anos de seu mandato, Lacerda fez o montante de dinheiro da prefeitura aplicado em bancos saltar de R$ 492 milhões, em 2008, para R$ 1 bilhão em 2011.

Entretanto, o dinheiro que está investido em aplicações financeiras poderia ter outra destinação, que não fosse render dividendos. Se fosse investido em intervenções urbanas, poderia tirar do papel obras que há anos embalam os sonhos dos belo-horizontinos. Os números estão disponíveis no site da transparência da administração municipal.

No fim de 2008, no último ano de mandato do ex-prefeito e atual ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (PT), a PBH, entre recursos disponíveis nos bancos, aplicações financeiras e outros ativos financeiros, tinha exatos R$ 492.304.878,15. No ano seguinte, o montante caiu um pouco, alcançando a cifra de R$ 423 milhões. Em 2010, os valores pularam para R$ 733 milhões.

O balanço de 2011, publicado no sábado (28) no Diário Oficial do Município (DOM) mostra que estão disponíveis em bancos para a prefeitura exatos R$ 1.011.406.495,60. Coincidentemente, no mesmo período em que se viu o aumento do dinheiro da prefeitura investido em bancos, houve a redução do montante aplicado na rubrica “obras e instalações”, como mostra os relatórios comparativos de despesa autorizada pela realizada, disponível no site da prefeitura.

Em 2009, estavam previstos na dotação orçamentária R$ 1,6 bilhão de investimentos. Com suplementações e anulações de investimentos, a prefeitura autorizou o investimento de R$ 1,3 bilhão em obras. No entanto, foram efetivamente gastos R$ 720 milhões. Com isso, ficou no caixa da prefeitura R$ 613 milhões.

Em 2010, o procedimento se repetiu. O orçamento municipal previa R$ 1,5 bilhão para obras – foram autorizados R$ 1,1 bilhão em investimentos – e só foram gastos em intervenções R$ 486 milhões. “Sobraram” para o caixa da prefeitura R$ 525 milhões, e para os belo-horizontinos, obras a fazer por toda a cidade.

O R$1 bilhão em aplicações financeiras que a prefeitura mantém em bancos seriam suficientes para realizar pelo menos três obras de grande porte na capital. A primeira delas seria o Hospital Metropolitano do Barreiro. Orçado em R$ 150 milhões, o hospital está sendo construído em regime de parceria público-privada. Parada por alguns meses, a obra deve ser retomada em breve. Outra possibilidade seria a despoluição da Lagoa da Pampulha, estimada em R$ 200 milhões – R$ 120 milhões para retirar todo o esgoto dos córregos que abastecem o reservatório e R$ 80 milhões para remover 500 mil metros cúbicos de lama.

A terceira possibilidade seria construir o BRT nas avenidas Pedro II e Carlos Luz, ao custo de R$ 153 milhões. Em 2010, a prefeitura informou que desistiu da obra por falta de recursos. Juntas, as três obras custariam aos cofres públicos R$ 500 milhões. Os R$ 500 milhões restantes poderiam ser investidos nas obras do Orçamento Participativo, que não saíram do papel. Como a obra de um complexo esportivo no São Salvador. Aprovado em 2008, a obra começou a ser feita no fim de 2011e deve ser concluída neste ano.

Ação Olho Furado! – esboço de Flash Mob

Texto extraído de: http://www.facebook.com/events/183318601764308/

QUERO TE CHAMAR PRA UM ACONTECIMENTO, tipo FLASH MOB … 😉

Seja por BH ou talvez porque você seja freela e como eu não tem nada melhor pra fazer na SEXTA-FEIRA 13 à tarde…
Seguinte…

Fizemos uma performance muito bacana contra o aumento de 60% no
salário dos vereadores de BH. E agora, no tempo do VETAnãoVETA do prefeito, é hora de realizar a Olho Furado com mais pessoas. Foda-se se Lacerda não vai vetar nada! Queremos mais é enfiar arte no contexto e deslocar pessoas para fora da zona de conforto. Resultados eleitorais, se vierem, virão em longo prazo.

QUÊ QUE É PRA FAZER
Na próxima sexta-feira 13 esteja na PRAÇA AFONSO ARINOS às 16h pra concentração e preparação. Estaremos lá até às 16h30. Caso você chegue muito atrasado e não encontre ninguém na Praça, desça para a prefeitura e identifique PRÓXIMO À BANCA DE JORNAL a pessoa de olhos furados com CAMISETA DA BANDEIRA DE MINAS GERAIS: ela estará com a tinta, o sangue de mentira. CHEGUE DE FININHO e se apresente… uma boa senha é dizer: “ESTÃO FURANDO NOSSOS OLHOS”.

Basta colocar a faixa com sangue de mentira nos olhos e ocupar o espaço calma e silenciosamente. SÓ ISSO!

O “evento” está marcado para terminar às 17:30, porém cada um é livre para deixar a ação performática quando quiser. Pedimos por favor, que tente sair da mesma forma que entrou: DISCRETAMENTE.

E se puder TRAGA SUA PRÓPRIA FAIXA DE PANO – dê preferência a cores claras

ENGROSSE O CALDO
Toda pessoa pode participar! Chame mais pessoas, amigos e parentes diversos: coroas, favelados, hippies, cults, nerds, dondocas, religiosos, pobres, ricos, pretos, brancos, crianças, idosos. Encaminhe esta mensagem pra elas. Quanto mais plural, melhor!

QUANDO E ONDE: SEXTA -FEIRA 13 de Janeiro, 16H na Praça Afonso Arinos, partindo às 16h30 para prefeitura de BH (entrada Afonso Penna).

Se vc for mesmo, CONFIRME A SUA PRESENÇA no MURAL DO EVENTO ! 😉

Querendo ver, tem fotos do Olho Furado no álbum “Ação!” no perfil de
de “TitaLelê Marçal”, aqui no facebook.

VALEUZES!

——————————————————————————-

CONVÉM SABER…

POR QUE QUIETOS? Nosso silêncio e imobilidade no meio da correria da cidade causam um forte efeito. Qualquer protesto mais direto e discursivo enfraqueceria a linguagem em questão. É válido experimentar todas… Mas lá, confie, será melhor conter os ânimos.

POR QUE MERO TRANSEUNTE? É importante que haja identificação com o povão. Logo, não recomendamos o uso de máscaras, logomarcas políticas, camisas de movimentos ou partidos. Tente estar incógnito. Enquanto você permanece impessoal, sua imagem reflete todo mundo e qualquer um.